abs_matrizes

Matrizes

Como dissemos anteriormente para os machos repetimos aqui para as fêmeas.
Selecionamos todo o rebanho em uma única direção, a de preconizar as características produtivas qualitativas e reproduzi-las.

O trabalho feito de 68 a 74 com Controle leiteiro deu ao plantel Tabapuã do Córregocaracterísticas únicas a este critério onde o vigor de seleção agregou em nossas matrizes extrema habilidade materna [durante 7 anos obtivemos média de 7,023 L por vaca dia com 4,6% de gordura durante 257 dias de lactação (8,4 meses)].

Selecionamos material genético de alta qualidade. As matrizes incorporadas no rebanho passam por intenso monitoramento desde a escolha de sua carga genética.
Os animais nascidos no Córrego são oriundos de acasalamentos individuais preconizando potencializar a genética dos pais em se obter um produto sempre melhor que a geração presente.

As fêmeas nascidas de um universo de 1300 matrizes P.O selecionadas por IPP (Idade ao Primeiro Parto), IEP (Intervalo entre partos) e PMD (Peso Médio a Desmama).
Hoje a média de nossas 1300 matrizes é: IPP de 37 meses IEP de 15 meses e PMD de 196kg
Todos os produtos são pesadas trimestralmente e na Desmama os animais são classificados em:

E – Elite (> 1 desvio padrão acima da média)
S – Superior (maior ou igual a média e menor ou igual a média mais 1 desvio padrão)
R – Regular (< média e maior ou igual a média menos 1 desvio padrão)
I – Inferior (< média menos 1 desvio padrão)

Todos os animais Inferiores so descartados desmama.
Todos os animais Regulares, Superiores e Elite com caracterização racial desejável são recriados campo com monitoramento de pesagens trimestrais e peso ajustado aos 365 e 550 dias. Aquelas que não acompanham a média do lote são descartadas no processo de recria.

As fêmeas S e E com caracterização racial desejável, quando completam 16 a 19 meses são registradas. Nessa idade elas tem peso médio de 310kg. feita a avaliação de PHRAS (Precocidade, Harmonia, Racial, Aprumos, Sexual). Elas vão para sua 1ª estação de monta onde temos obtido 50% de prenhez aos 18 meses, as que no emprenharam vão para sua 2ª estação com 22 a 25 meses e 98% delas tem sua prenhez confirmada. Com isso dedicamos a seleção para melhorar o índice de prenhez dos 16 aos 19 meses trabalhando assim a precocidade sexual.

No rebanho de matrizes também classificamos os indivíduos em E, S, R, I, respeitando o mesmo diferencial de desvio padrão conforme explicado anteriormente na ocasião da desmama, mas aqui o indexador não é o peso e sim a média de 3 índices que são:
IPP – Idade ao primeiro parto
IEP – Intervalo entre partos
MPD – Média de peso desmama

As matrizes que caem no grupo das inferiores são descartadas e engordadas em confinamento para o abate. As matrizes regulares com algum seno de caracterização racial vão para o lote de cruzamento industrial e as demais são acasaladas individualmente no rebanho Tabapuã P.O..

Com esse manejo estamos selecionando a precocidade sexual, com as novilhas entrando em serviço com 16 meses. Mantendo no rebanho somente as matrizes com IEP menor ou igual a 15,5 meses, controlando assim o retorno de cio após o parto, selecionando fertilidade e MPD (205dias) maior que 160kgs (Média para Bez M e F), estamos mantendo no rebanho somente matrizes produtivas.
A idade média de nossas matrizes de 7,5 anos, fazemos uma reposição de 15% ao ano.

Vacas precoces, vacas férteis, vacas que criam bem seus bezerros e que não falham no ano seguinte. Assim são as matrizes Tabapuã do Córrego.
Boa HMMP = Rebanho que dê lucro
Precocidade Sexual, (Habilidade materna mais provável) IPP, Fertilidade, maior número de matrizes produtivas.
Matrizes produtivas => maior taxa desfrute => maior rentabilidade.
Menor tempo => maior giro => maior rentabilidade
Assim é a matriz Tabapuã, insuperável mãe zebuina responsável por tamanha expansão da raça em 60 anos de seleção.

Veja novamente as tabelas dos destaques do controle leiteiro:

Prova Divisão 365 dias de Lactação

Nome Nº DPA Nº ABCZ Kg leite Kg Gordura % Gordura
Argentina 29 181 3671 130 3,54%
Criola 2985
Formada 2794
Goiânia 419 176 2693
Fuzarca 2612 124,2 4,75%
Brigite 214 163 2523 118 4,67%
Garota 2021 193 2440
Média 2816,8 124,06 4,32%

(Controle Oficial Associação Paulista dos Criadores de Bovinos 1.968 a 1.974)

Os dados acima mostram média de 7,71kg de leite em 365 dias (1 ano) com 4,32% de gordura

Brigite da Santa Cecília
Campeã Vaca Adulta São José do Rio Preto (1.968)
1ª Cria 1.780kg leite em 192 dias lactação
(média 9,72L/dia com 80kg gordura)
2ª Cria 2.523kg leite em 353 dias lactação
(média 7,14L/dia com 118kg gordura)

Prova Divisão 305 Dias de Lactação

Nome N¼ DPA N¼ ABCZ Kg leite Kg Gordura % Gordura
Argentina 29 181 3413 141,67 4,15%
Tatuzinha 2688 120,66 4,48%
Garota 2021 193 2249 115,07 5,11%
MŽdia 2783,33 125,8 4,58%

(Controle Oficial Associação Paulista dos Criadores de Bovinos 1.968 a 1.974)

Os dados acima mostram média de 9,12kg de leite em 305 dias (10 meses) com 4,58% de gordura

Garota da Santa Cecília
Divisão prova 365 dias
2.440kg leite com 124,20kg gordura.
Campeã Jr. SP, Londrina e
Reservada Campeã São José do Rio Preto.

Podemos observar nas tabelas acima que todos os animais tem média acima 2000kg em 305 dias, isto poderia enquadrar o Tabapuã, funcionalmente, como sendo de uma raça mista.
Apesar dessa aptidão natural, o Tabapuã esmera-se na seleção de virtudes de corte. Esse é o seu caminho.


css.php